Toda empresa tem sua cultura, que é constituída por pequenos e grandes fatores que garantem a unidade dos colaboradores e a busca contínua por sucesso e desenvolvimento. Os colaboradores têm um papel essencial na manutenção e na organização dos valores e aqueles que se identificam conseguem somar à companhia — o que está diretamente relacionado ao processo de seleção e contratação da equipe.

Os profissionais PSD, sigla para “poor, smart and deep desire to get rich” (pobres, inteligentes e com grande desejo de enriquecer), fazem parte de um perfil muito procurado pelo mercado em qualquer área de atuação. Eles garantem um perfil empreendedor e direcionado para resultado.

Mas como selecionar os profissionais certos? Confira mais neste artigo!

O que procurar nos candidatos

O termo PSD foi criado pelo bilionário Jorge Paulo Lemann, dono de um dos maiores grupos brasileiros, que conta com companhias como Ambev, Burger King e Heinz. Desde o começo, Lemann procurava jovens com um perfil PSD para integrar suas empresas, buscando profissionais que fizessem a diferença.

Os jovens PSD apresentam trabalhos de qualidade, são empenhados, têm grandes sonhos, acreditam na cultura meritocrática, são fiéis aos valores, possuem foco, disciplina e objetividade. Por fim, são pessoas que buscam a todo custo sucesso profissional e querem crescer junto da empresa, agarram oportunidades e não aceitam qualquer condição de trabalho.

O que oferecer

Não basta querer contratar profissionais com o perfil de alta performance, os recrutadores têm que saber atraí-los da maneira certa.

O salário é o principal fator para atrair qualquer profissional. Entretanto. tão importante quanto o próprio salário, as bonificações e os benefícios em consequência do cumprimento de metas são aliados dos gestores. Assim, é possível oferecer salários mais baixos com a chance de remuneração variável devido o alto desempenho, e ainda, ascensão dentro da organização.

Mas para que haja essa possibilidade de prêmio, os gestores são responsáveis por elaborar metas desafiadoras, bem como viáveis que condizem com a realidade e competências dos contratados.

Disponibilizar cursos e aprendizado aos funcionários também agrega valor ao que a empresa propõe, possibilitando crescimento profissional e pessoal, aumentando o engajamento, promovendo integração e aprimorando a qualidade dos serviços.

O que fazer depois da contratação da equipe

Contratar é só a primeira parte de toda a vivência do profissional dentro da empresa. A retenção de funcionários pode ser mostrar um desafio ainda maior. A partir da admissão, o responsável deve garantir ao funcionário momentos de integração e desenvolvimento. Muito mais do que motivar a equipe, eventos assim são capazes de alinhar o pessoal e facilitar relações interpessoais.

Permitir autonomia e dar voz também são aspectos que fazem diferença no dia a dia, os colaboradores querem se sentir parte da organização. Os líderes devem reconhecer erros cometidos e avaliar o desempenho conjunto e individual. Os feedbacks sinceros e constantes são importantes para orientar comportamentos e posturas, avaliando os resultados e o andamento dos projetos.

Os pontos levantados são peças para a construção de uma organização empresarial melhor, em que os processos e os colaboradores são levados em conta e o produto tende a ser o sucesso.

E mais do que nunca, em um mercado competitivo e em tempos de crise, a escolha dos funcionários é o que define a jornada da empresa. Fique por dentro dos desafios da contratação de equipe para os próximos anos com o nosso ebook.