Nossa sociedade está em constante mudança. Na medida em que o tempo passa, nós alteramos nossa forma de pensar e agir, com o objetivo de viver em uma comunidade cada vez melhor e mais participativa. O mesmo acontece com as organizações que optam pela gestão colaborativa.

Esse novo modelo de gestão propõe um ambiente organizacional construído pela participação dos colaboradores nas estratégias e decisões da empresa.

A seguir, você conhecerá mais sobre esta forma de gerir a corporação e como ela contribui com o planejamento estratégico.

O que é gestão colaborativa?

Como já dissemos, nesse modelo os empregados têm participação mais ativa nas decisões da empresa. Assim, podem assumir papéis de líderes de projetos, de acordo com o conhecimento de cada um, e definir certas responsabilidades, como horário de trabalho e metas a serem atingidas.

Diferente do modelo tradicional, onde a hierarquia é mais rígida e as orientações são verticalizadas, na gestão colaborativa não há chefes, apenas os responsáveis pelos projetos dentro da empresa, sendo escolhido um novo profissional na medida que outros surgem. Além disso, as decisões são tomadas por um integrante de cada área, podendo variar entre eles.

A estrutura organizacional é nivelada horizontalmente, por isso, esse modelo também é chamado de gestão horizontal. Assim, as informações circulam por todos as categorias de profissionais mais facilmente.

Por ser um formato inovador, a gestão colaborativa, ou horizontal, já é aplicada parcialmente em grandes empresas consideradas visionárias e referências na maneira de tratar seu público interno, como a Google, a Netflix e a IBM.

Qual a relação com o planejamento estratégico da empresa?

O planejamento estratégico é a ferramenta pela qual a organização define onde quer chegar (seus objetivos) e os meios que utilizará para alcançá-los (estratégias). No modelo tradicional utilizado pela maioria das empresas, nem sempre os colaboradores têm conhecimento dessas definições.

Na gestão horizontal, os objetivos e as estratégias são definidas por um grupo de empregados de cada área. Dessa forma, é possível estabelecer objetivos que envolvam todos os processos do negócio e definir o planejamento de forma que contribua e favoreça a todos.

Além disso, as táticas definidas são conhecidas pelo corpo de empregados que compõem a corporação, deixando-os cientes de seu papel em cada etapa para alcançar as metas empresariais. Ainda, os funcionários se sentem responsáveis diretos pelo sucesso.

Afinal, o ambiente favorece o envolvimento com o trabalho, pois é aberto para novas ideias, troca de conhecimentos, estimula o trabalho em equipe e o talento de cada um, favorecendo o coletivo.

Quais os principais benefícios?

A gestão colaborativa contribui com o planejamento estratégico e, consequentemente, ajuda a empresa a alcançar resultados ainda mais positivos. Assim, esse modelo apresenta benefícios que podem ser facilmente percebidos, entre eles:

  • funcionários mais responsáveis e com desempenho melhores;
  • facilidade em lidar com as mudanças no mercado;
  • equipe mais entrosada e unida;
  • busca de soluções em conjunto;
  • melhor administração do tempo de cada um;
  • ambiente de trabalho mais inspirador;
  • empresa mais desejada pelos profissionais, principalmente entre as gerações mais novas.

É importante lembrar que todas essas vantagens ajudam a trazer resultados positivos para a companhia. Dessa forma, percebemos que o mercado só tem a ganhar ao investir em ambientes de trabalho mais participativos e lideranças capacitadas para atuarem mais próximas aos colaboradores.

Agora que você já conhece mais sobre a gestão colaborativa e sua contribuição para o planejamento estratégico da empresa, aproveite para compartilhar esse artigo nas redes sociais e estimular mais organizações a adotarem essa novidade!